“Classix Remix vol. 2”: confira releituras da obra de Rita Lee

Rita Lee Remix

Projeto de João Lee, filho do meio de Rita Lee & Roberto de Carvalho, o “Classix Remix” voluem 2 foi lançado no dia 14 de maio. A expectativa com o álbum – que traz novas releituras de grandes joias da dupla – é ainda maior. Principalmente pelo sucesso absoluto do primeiro, que chegou às plataformas em abril.Com o volume 2, construí o álbum de uma maneira diferente, por estilo. As músicas são mais consistentes entre si e o álbum é mais focado em disco/ house. Montei o segundo álbum mais parecido com um set que tocaria como DJ numa pista de dança”, conta João.

E o volume 2 chega com excelentes surpresas. Um dos nomes mais aguardados entre os fãs, o piloto do projeto, João, se faz presente neste segundo volume com a clássica “Jardins da Babilônia” (de Rita e Lee Marcucci, do disco “Babilônia”, de 1978). No remix, os deliciosos e característicos improvisos vocais de Rita, assim como o piano perfeito de Roberto, ganham ainda mais luz. “Procurei ser o mais respeitoso possível com os áudios originais, porém, dei meu twist. Tirei algumas partes e coloquei algumas novas. A ideia foi encontrar um meio termo entre algo mais dançante e o rock”.

Além disso, esse álbum se prova o mais família de todos, também com a presença de Beto Lee, o primogênito, que entrega tudo em “On the Rocks” (do disco “Bombom”, de 1983). Ao lado de Apollo 9, Beto faz uma escolha certeira e se mostra o grande herdeiro do rock que corre na veia de Rita & Roberto. Os fãs também agradecem.

Pelas mãos de Reflex“Nem luxo nem lixo” (do álbum “Rita Lee”, de 1980), se mostra um disco que não vai deixar ninguém parado, com novos requintes aqui e ali, que surpreendem na melodia; o DJ francês emplacou uma dobradinha ao repaginar “Agora é moda” (de Rita e Lee Marcucci, do “Babilônia”, de 1978, e que estourou recentemente na Europa e nos Estados Unidos); o hino pop “Lança Perfume” (também do disco de 1980), não poderia ficar de fora e vem repaginado por Vintage Culture e Bruno Be; Eric Kupper remodela um dos xodós dos fãs – e do próprio Roberto: “Pega rapaz (do “Flerte Fatal”, de 1987), que vem redonda, colocando os geniais backing vocals de Rita em diferente esfera, um jeito novo de ouvir a música; “Caso Sério” (de “Rita Lee”, 1980), por Phonique, vem em duas versões: a primeira com os assovios, vocal parrudo e muito suingue, e a stripped down; “Baila comigo” (de “Rita Lee”, 1980) ganhou novas texturas pelas mãos dos argentinos Leha & Eze; “Mania de Você” (de “Rita Lee”, 1979) está representada com uma releitura de novos contornos, propostos por Rodrigo Ferrari; “Atlântida” (do “Saúde”, de 1981) teve seus certeiros “glubglub-chuáchuá” repaginados por Memê; uma das mais clássicas entre as clássicas, “Saúde (do disco homônimo, de 1981) é de Beto Cury & Pedro Turra; atualíssima, “Corre-corre” (de “Rita Lee”, 1979) ganhou o groove de Vivi Seixas. A filha de Raul descreve a emoção de trabalhar no projeto: “Se o Raul Seixas é o pai do rock, a Rita é a mãe! Que felicidade participar desse projeto, remixando esse clássico de Rita & Roberto. Mais bacana ainda é a afinidade entre João e eu, filhos de roqueiros, mas do universo da música eletrônica!”.

No mês que vem, o projeto será concluído com o volume 3, mas essa já é outra (mas igualmente dançante) história. Como dois viajantes de uma máquina do futuro, uma coisa é certa: a dupla Rita & Roberto renova, a cada época, a alegria que leva a Terra. E, quem sabe, até a outros planetas por aí…

Por Guilherme Samorra

Leia também: Techno | Saiba tudo sobre um dos maiores gêneros da música eletrônica

CONFIRA MAIS:

- Para receber cupons de desconto e mais informações sobre festas e festivais de música, clique aqui
- Para participar dos nossos grupos exclusivos de wsapp e receber as novidades em primeira mão, clique aqui

- Siga também nossos perfis no Instagram: @bruejode e @wegoout

DJ, produtor musical e estudante de publicidade, seu objetivo de vida é emocionar as pessoas e fazer com que elas sintam lá no fundo algo confortante. Seja tocando em festas, produzindo suas próprias tracks ou escrevendo textos, acredita que a música eletrônica tem o potencial único de unir pessoas e trazer bons momentos e experiências inesquecíveis.

Comente aqui:

Comente aqui!
Por favor, preencha com seu nome