Go Girl #6: Sam Ferry | Carreira, inspirações e planos para o futuro

sam ferry

Em 2017 Sam Ferry fez um curso de produção musical e desde então decidiu se jogar no mundo da música eletrônica. Conhecida pelo seu carisma na pista, a DJ já participou do line up de várias festas dividindo o palco com grandes nomes e conquistou muitos fãs e seu espaço no Rio de Janeiro.

Vencedora de DJ Contests e com uma grande preocupação com sua marca nas redes sociais, a artista vem crescendo cada vez mais e fazendo um belo trabalho de levar seu nome para todo o país. Em poucos anos Sam Ferry lançou diversas tracks e promete muito mais para 2021. Nós conversamos com a carioca sobre sua carreira e planos para o futuro! Confira mais:

sam ferry

Sam, conta pra gente um pouquinho da sua história! Quando descobriu a paixão por música eletrônica?
Primeiramente, obrigada pelo convite para participar e falar um pouco da minha história. Então, a paixão por música em si eu tenho desde que me entendo por gente e a música eletrônica sempre esteve presente mas foi em 2016 que eu comecei a curtir mais festas específicas e o amor pelo eletrônico floresceu ainda mais. Logo em 2017 fiz meu curso de DJ e daí pra frente nunca mais parei…

Quem são suas inspirações dentro e fora da música eletrônica?
Na música eletrônica eu admiro muito o Felguk, os meninos são artistas exemplares, conseguem se adaptar ao momento sem perder a essência, inclusive tocando juntos ou separados a energia que transmitem é a mesma. Sou fã! Alok e Vintage Culture também são dois que admiro por tudo que fizeram e fazem pela cena. Fora do eletrônico, eu admiro muito a Anitta que é uma mulher ambiciosa e corre atrás do que quer, ela é determinada e dedicada ao extremo. Olha tudo que ela conquistou? E sendo mulher, o que já sabemos que é mais difícil.

Qual track que você produziu que você mais gosta?
Difícil hein? Tem uma por vir que estou apaixonada, mas falando das lançadas, Keep My Baby, Hot Body e Just Fine em collab com o Barc, são minhas queridinhas.

Você começou 2020 com vários planos, teve duas gigs na Argentina.. e de repente o planejamento de eventos mudou para muito estudo, lives e foco em produção (certo? hehe). Se pudesse resumir em poucas palavras, quais foram os maiores aprendizados do ano para você?
Nossa, 2020 foi um ano muito tenso. Comecei o ano cheia de metas, planos e de repente veio uma rasteira. Eu fiquei um tempo desmotivada em produzir porque lancei Hot Body pela Muzenga uns dias antes do mundo parar e a track nem foi bem trabalhada, só o Zuffo tocou numa live infinita dele. Eu também tinha uma data na Privilege que sempre foi um sonho tocar e do nada não tinha mais.
Depois eu me motivei, voltei a estudar e produzir… Apesar de todo o caos do ano, eu puder ver as mulheres se unindo na pandemia e tomando um espaço maior, vi os artistas maiores se tornarem mais acessíveis, conheci pessoas incríveis e comecei a ver o caos se transformar em esperança.

2020 também foi um ano que nós sentimos uma maior união e voz das mulheres no mercado da música eletrônica. Como você vê essa força hoje e o que você acha que muda quando os eventos voltarem?
Acabei de falar sobre isso… rs
Eu tô achando isso incrível e quero que continue, pude ver o comecinho disso nos grupos de WhatsApp e nos perfis do Instagram voltados pra as mulheres, participei e participo de vários. Eu acredito e espero que, finalmente, os grandes produtores de eventos tenham escutado o nosso “barulho” e tenham observados as DJs e produtoras maravilhosas desse Brasil e, assim, abram mais oportunidades para mostrarmos o nosso trabalho.

2021 mal começou e você já está arrasando! Já foram dois lançamentos, ´Don´t Kill My Vibe´ – com Dexxter e Kevin Rodriguez e ´Keep My Baby´ – com remix oficial do Tyler Coey, e seu remix de ´Satisfaction´ atingiu o top 100charts de tech house do hyppedit! Quais são as próximas novidades que você já pode contar para 2021?
Gente ano começou maravilhoso já 😍 Inclusive Satisfaction já foi para o Top 50 e eu não poderia estar mais feliz! O que posso adiantar de novidade é que dia 26/02 tem lançamento de um remix oficial de Can’t get over do Kasino em collab com o Duda Santtos que está uma bomba, puro tech house.

Para terminar, quais são suas grandes metas e sonhos?
Metas e sonhos são ter meu trabalho cada mais mais reconhecido e levar minha música pelo mundo afora, tocar em clubes renomados, ter suporte de grandes artistas e fazer collab com eles também.

Ficha Go Girl #6 – Sam Ferry

Nome: Samara Ferreira (Sam Ferry)
Nasceu em: Rio de Janeiro
Música favorita da sua vida: Impossível responder isso 😅
B2B dos sonhos: Vintage Culture e Meca
Acompanhe mais no Instagram!

O quadro Go Girl, em parceria com a SOMUS, tem como objetivo dar destaque as DJs e/ou produtoras brasileiras que tem feito um trabalho incrível na cena.

Leia mais: Go Girl #5: Juliana Hauz | Planos e projetos para 2021!

CONFIRA MAIS:

- Para receber cupons de desconto e mais informações sobre festas e festivais de música, clique aqui
- Para participar dos nossos grupos exclusivos de wsapp e receber as novidades em primeira mão, clique aqui

- Siga também nossos perfis no Instagram: @bruejode e @wegoout

Tem duas paixões na vida: viagem e música. Com mais de 30 países na bagagem e muitas histórias em festivais, escolheu os cinco dias acampada na lama do Glastonbury e a mágica de trabalhar no Tomorrowland Bélgica como as experiências mais incríveis que já teve.

Comente aqui:

Comente aqui!
Por favor, preencha com seu nome