Como é a cena eletrônica de Sydney, na Austrália? LUMERTZ destaca alguns pontos-chave

LUMERTZ

Radicado na Austrália desde 2019, o ítalo-brasileiro LUMERTZ encontrou no Techno pertencimento e uma forma límpida para se expressar. Com apresentações intensas e ácidas, o artista tem se desenvolvido, desde então, em um continente bem distante do Brasil, o que, inegavelmente, traz mudanças culturais expressivas. Com apresentações  no Club 77, uma residência na Lucky Presents e na Sentando A Lenha, festa porto-alegrense que realiza edições na capital australiana, ele tem se desenvolvido progressivamente.

Mesmo embasando seu trabalho nas escolas de Detroit e Berlim, os dois grandes berços de seu estilo sonoro, ele precisou entender a cena e como as pistas australianas responderam ao seu som. E como o mundo é pra lá de grande, nem sempre a gente fica sabendo como são tais pistas. Por isso, hoje convidamos ele para nos contar alguns pontos importantes de como a banda toca por lá. Confira!

LUMERTZ

Bom, vamos lá, aqui na Austrália temos uma cena relativamente nova, ao meu ver, tão nova quanto a do Brasil, porém com suas distintas características. Melbourne é a cidade onde a cena eletrônica melhor se desenvolve, pois tem uma vida noturna mais ativa, com uma cena clubber bem forte e com muito mais atrativo para que a cena se desenvolva. Se não me engano, é a 5ª capital do mundo para música. 

Já em Sydney, vemos uma cena mais itinerante, com uma forte presença de  bush parties, boat parties e warehouse parties. Claro, há uma cena clubber também, mas não tão forte como as outras, visto que as leis daqui, até pouco tempo, não contribuiam para o desenvolvimento da cena. Algumas festas que valem ser citadas aqui na Austrália e tem um nome muito forte são: SASH (Sydney, Brisbane e Melbourne), WeLove (Sydney e Gold Coast), New Guernica (Melb), Undisclosed (Syd), Pop Up (Syd), Renegade (Syd) e Church of Techno (Syd).

Temos aqui na Austrália, uma forte presença de festivais. Estes acontecem predominantemente no interior, muito afastados da cidade, isolados, onde praticamente não há nem recepção de celular e duram por dias. Vemos nesses festivais uma diversidade enorme, passando dos estilos mais predominantes como psy trance e drum n bass até ao house, techno, tech house, deep tech e diversos outros. Alguns destaques dentro desses tantos festivais são: Rabbits Eat Lettuce, Rainbow Serpent, Subsonic, Elements, Pitch Festival, Electric Gardens e Earth Frequency.

Já que estamos falando da cena australiana, vale destacar também o trabalho das labels locais, que vem buscando desenvolver e disseminar pelo mundo o nome dos artistas australianos e demais que aqui residem, seja através do lançamento de músicas ou de evento próprios. Labels como AllFriends Records, onde realizo meu próximo lançamento (spoiler alert), WeLove Recordings e Recovery Collective são bons exemplos de gravadoras que devem ser acompanhadas.

Para concluir, acho válido citar os nomes de alguns artistas aqui baseados, maiores e menores, que vale prestar bastante atenção pois vem fazendo um trabalho bem legal: Gabriel Moraes, Hoten, Fabrication, Made in Paris, Nick Reverse, Lisa May, raF., Ravi Luchesi, Manu Neves, Caike e Abel Mezzomo.

Por Maria Angélica Parmigiani

Leia também: Matisse & Sadko lançam “Relight My Love” pela Tomorrowland Music

CONFIRA MAIS:

- Para receber cupons de desconto e mais informações sobre festas e festivais de música, clique aqui
- Para participar dos nossos grupos exclusivos de wsapp e receber as novidades em primeira mão, clique aqui

- Siga também nossos perfis no Instagram: @bruejode e @wegoout

DJ, produtor musical e estudante de publicidade, seu objetivo de vida é emocionar as pessoas e fazer com que elas sintam lá no fundo algo confortante. Seja tocando em festas, produzindo suas próprias tracks ou escrevendo textos, acredita que a música eletrônica tem o potencial único de unir pessoas e trazer bons momentos e experiências inesquecíveis.

Comente aqui:

Comente aqui!
Por favor, preencha com seu nome