Tribe é Tribe: saiba como foi a edição de 20 anos do festival

Tribe Festival 20 anos
Créditos: @sigmaffotografia

Depois de dois anos de espera, a Tribe voltou a receber milhares de fãs da música eletrônica para seu aniversário de 20 anos na Arena Maeda, em Itu, interior de São Paulo. Durante as 17 horas de festa, o festival entregou em seus quatro palcos mais de 40 artistas de diferentes vertentes do Psytrance, Techno e House, que foram desde os nomes queridinhos do público como Boris Brejcha, Vegas e Astrix, como alguns estreantes como WhoMadeWho, Be Svendsen e Guy Mantzur.

Estrutura

A Arena Maeda, um dos melhores espaços do Brasil para festivais de grande porte, foi montada de uma forma estratégica para que as pistas tivessem tamanho suficiente para receber a galera e sem interferência no som de uma para a outra. A decoração dos palcos mostrou uma versão mais moderna, sem perder as raízes tribais do festival, cada um adaptado para combinar com o estilo da música. Os painéis em LED do palco Tribe Club foram um show à parte que deram ainda mais intensidade nas apresentações dos artistas de Techno, assim como as molduras ao redor da pista do Solaris trouxeram à nostalgia das Raves para os amantes de Psy Trance.

Créditos: @guilhermeoliveira85

Com uma área coberta e diversas opções de comida, a área de alimentação também foi lugar para o público dar uma descansada e se protegerem da chuva na madrugada, já que as pistas não ofereciam cobertura. Banheiros e Caixas estavam bem distribuídos pelo espaço, mas sentimos falta de caixas ambulantes para agilizar o processo de compra de consumação.

Bebidas

Os preços das bebidas seguiram o padrão dos grandes festivais desse ano, com cerveja por R$15, água por R$10 e drinks a partir de R$40. Para poder consumir, era necessário comprar um cartão de consuma no valor de R$7,00, que podia ser trocado por uma garrafa de água na saída do evento. Confira abaixo a tabela de preços:

Tribe Festival 20 anos

Apresentações

As performances começaram aquecidas desde o início do festival. Com o estreante Mindfreak abrindo o palco Tribe Club, o Techno passou por diversas as vertentes, do Melódico ao Acid, passando pelo Peak Time chegando até o High Tech Minimal, do aguardado Boris Brejcha. Eli Iwasa controlou a pista com toda sua maestria e feeling apuradíssimo, o duo Township Rebellion chegou quebrando tudo, e Renato Ratier construiu um set marcante, que foi seguido pela sequência de apresentações da label FCKNG SERIOUS. Começando a trilogia, Ann Clue abriu o espaço para uma sonoridade intensa, crua e afiada, com um toque único. Moritz Hofbauer, conhecido por ser o garoto prodígio de Boris Brejcha, seguiu no comando da pista Tribe Club trazendo todo seu espírito jovem e moderno, criando um set de atmosfera coesa e integrada. Fechando a tríade de apresentações, Boris Brejcha, ou o “Bruxo”, como os fãs o apelidam carinhosamente, entregou tudo o que os fãs mais assíduos esperavam e muito mais. A manhã seguiu com nomes de peso com Enrico Sangiuliano, D-Nox e muito mais.

Créditos: @sigmaffotografia

O Palco Secret Garden foi o espaço em que o Tech House rolou solto. Com alguns dos maiores nomes nacionais e internacionais e uma estrutura minimalista mas imponente, com um ar tecnológico e ao mesmo tempo orgânico. Brisotti botou o palco abaixo, com seu estilo único, alegre intenso e dançante, Gabe entregou tudo que os fãs esperavam, tanto na sua apresentação solo quanto no B2B com Gordo. Falando nos astros internacionais, Loco Dice trouxe sua energia própria e singular e Gordo trouxe sua energia excepcional, com toques latinos e Eddy M com trouxe todo o seu groove inigualável.

Créditos: @guilhermeoliveira85

O palco Backstage teve sua primeira versão nesse ano, com acesso apenas para quem comprava o ingresso Backstage ou Área Vip e, mesmo com a restrição de público, ficou movimentado durante praticamente toda a noite, com picos durante os Live Acts do trio experimental dinamarquês WhoMadeWho e de outro artista dinamarquês, o místico Be Svendsen.

Créditos: @indieclicks

Com toda a sua decoração e estrutura criando uma atmosfera à parte, o Palco Solaris recebeu alguns dos maiores nomes do Psytrance nacional e internacional, proporcionando uma sensação de união e muita energia. Além de dois sets no Palco Tribe Club, Gabe apresentou um set como pseudônimo Wrecked Machines, que foca em BPMs mais elevados, com a sonoridade voltada ao Psy. Vegas, Astrix, Avalon, Vini Vici já estão acostumados com o público brasileiro, e apresentaram sets poderosos e cheios de clássicos. Apesar da chuva, o Palco Solaris foi um recorte do cenário Psytrance já muito consolidado no Brasil.

Tribe Festival 20 anos
Créditos: @sigmaffotografia

Mesmo com momentos de chuva e o frio comum para o mês de Maio, o Tribe Festival 20 Anos conseguiu realizar um festival de alto nível e o investimento valeu a pena, pois o público aproveitou até o nascer do sol e voltou a sentir a energia que a Tribe oferece em mais de 20 anos de história.

Se você gostou do review do Tribe Festival 20 Anos e quer ficar por dentro de todas as novidades dos festivais pelo Brasil, e compartilhar suas próprias experiências, participe do nosso grupo de Whatsapp Tribe wegoout!

Leia também: Entrevista | Boris Brejcha e sua relação com o Brasil no Tribe Festival

CONFIRA MAIS:

- Para receber cupons de desconto e mais informações sobre festas, clique aqui!
- Confira nossos grupos exclusivos de WhatsApp aqui!

- Siga também nossos perfis no Instagram: @bruejode e @wegoout

Co-fundadora do We Go Out, Bruna se divide entre Curitiba, São Paulo e viagens pelo mundo em busca dos melhores festivais de música eletrônica. Já passou por mais de 20 fora do Brasil, como Tomorrowland, Creamfields, Ultra, Coachella, Sónar e DGTL. Apaixonada por Techno e House Progressivo, não consegue ficar muitos dias sem uma boa festa!

Comente aqui:

Comente aqui!
Por favor, preencha com seu nome